ESTRADAS NA VARANDA

 

 
Histórias & Histórias

O Projeto Café na Varanda existe já faz muito tempo. Em muitos aspectos existe desde minha infância.Depois,quando me vi na condição de cronologicamente adulto, o Projeto tornou-se uma necessidade, mudou de alguma coisa que eu queria para algo de que eu precisava. Poder cuidar de uma propriedade rural, um local com as características que minha mulher e eu amamos, passou a ser mais importante que tantas outras importâncias.
A existência metafísica do projeto não pode ser, é claro, historificada, mas a física pode.
Procuramos um local por um bom tempo e por boas distâncias. Procuramos e achamos trilhas e estradas que não conhecíamos. Passamos por alguns aquis e alis. Falamos sobre dinheiro e dinheiro.
Com a cabeça repleta de pensamentos e vazia de decisões, encontrei um classificado do folhão “ 30.000 m² - 3Km do centro – muito verde e riachos “. Isto foi em 29/06/2003, um domingo. Fui conhecer o sítio em 02/07/2003, uma quarta, o que foi um impacto violento de é isso/encontrei o lugar. A outra metade da laranja veio em 07/07/2003, uma segunda. Gostou e também foi um é isso.
O contrato de compra e venda foi assinado em 10/07/2003, uma quinta.Esta parece ser a data de aniversário mais autêntica do ponto de vista institucional, mas eu acho que sinto o nascimento mais para o dia dois de julho. De qualquer modo, sempre será bom ter bolos e brigadeiros em todos os começos dos julhos. 
Nesta época em que o metafísico foi materializado eu estava fazendo trabalho de consultoria, estava indo e vindo de Bertioga/São Paulo, viajando por várias cidades do interior paulista. Fui fazer consultoria em Pouso Alegre – MG. Em setembro fui para o Pará, em uma mineradora que explorava jazidas de bauchita em uma cidade de nome Oriximiná. Estava revisando normas técnicas e ficando puto com gente que traduz  sem ler a bobagem que escreveu. Foi um belo trabalho aquele, de resultado muito bom e eu aprendi muito. Mas foi um baita sufoco estar longe do sítio que havíamos comprado. Fiquei duas semanas sendo consultor e desesperado para pegar o vôo Belem/Sampa. É muito chato estar nessa condição de fazer o que não se quer e que se precisa fazer. Em todo caso, compromisso é compromisso.
Aos poucos, fui tornando o ano de 2003 como o momento de puxar o freio de mão para minha carreira corporativa e simultaneamente acelerar minha carreira eutiva.
O platô para construção da casa foi feito em 17 e 18/10/2003. Em 27 e 28/10/2003 foi colocada a grama na saia do barranco. A cerca ficou pronta em 28/10/2003. No ano novo em Bertioga eu estava oriximinando outra vez, tanto é que no dia primeiro/2004, uma segundona, às 14,00 horas, eu estava fazendo análise de relatórios estatísticos. Foi muito legal e eu aprendi muita coisa. Depois disso, a pauleira começou pra valer.

Mina Água Nascente
Canos
Bomba 
Abrigo da Bomba
Reservatórios
Tubos
Fossas
Poços
Construção
Aluguel de uma casa durante a obra
Mudas de árvores
Grama
Chuva
20 pãozinho da Cristo Redentor
Café na garagem
Ano novo os dois sentados na calçada vendo os fogos
Café sob a laje secando
Fogão à lenha
Madeira e madeira
Olaria
Eletricidade emprestada
Inverno de 1 grau neblina na varanda
Neblina da varanda
Café leite manteiga doriana 20 pãozinho da Cristo
Sinto muito, não dá, estou ocupado
Almoço em uma das varandas
Arte
12 de março 23 de setembro e namorados
Ouriço, lebre, veado campeiro, vacas, galinheiro e horta
Piso de tijolos
Café na varanda
Mudança
Mudanças
Sampa
Bertioga
Café na Estrada
Café na Varanda e Café na Varanda


Um outro aniversário é 23/07/2005, um sábado, dia de mudança e de arrumação de milhões de coisas. Um baita de um aniversárião é o de 28/07/2005, uma quinta,quando foi a mudança mesmo, a residência, o acordar em casa e tomar o café na varanda. Com tantos motivos para balões coloridos, palitinhos de picles e docinhos na bandeja caindo em vários dias de julho, é melhor pensar em mesversário. A primeira obra com cara de obra a ficar pronta foi a garagem. A última telha da cumieira foi colocada e arrematada em um três de julho; teve churrasco com a turma de ajudantes até bem tarde daquela noite. Quando eu perguntei sobre quais seriam as carnes e acompanhamentos, a incrível lição do dia foi que o pessoal queria panceta. Foi um churrasco de torresmo, um fogo descontrolado, uma loucura e uma baita experiência em gastronomia de obra.
Muitos anos antes de 2003, o Projeto tinha este nome antipático, PROJETO. Depois,ao fazer anotações, plantas e cálculos, eu usava o nome Estilo de Vida, que é a visão do todo : estilar a vida, ter um estilo para viver, viver ao estilo que se quer, estilizar a vida e destilar a vida. Mas a experiência de ter uma plantação de café, secar café, torrar café, moer café, passar café, servir café e tomar um café na varanda de sua casa, acabou sendo uma síntese em três palavras. Surgiu o Nome que passamos a usar informalmente e eutivamente. Surgiu o nome muito almado de Café na Varanda.
A casaprojeto começou a virar construção e o primeiro tijolo foi colocado, em uma quinta, dia 27 de maio de 2004, às 15 horas e 30 minutos, dia muito frio. Silencioso. O dia estava mesmo muito frio e quieto. Eu não. Ainda não havia gabarito para a varanda, mas a idéia estava lá. 
Acho que a vida eutiva do projeto Café na Varanda começou neste dia, bem cedo junto com manteiga doriana ( com sal, pão da Cristo), mas não tenho certeza. A vida corporativa eu sei que começou em 25/01/2008, quando o Sítio passou a fazer parte,na condição de “ativo”, dos cadastros oficiais de CNPJ e IE. Aconteceu quando precisamos definir um nome corporativo em documentos que pediam o nome do sítio de maneira cartorial. Este é o dia de carne louca e guaraná do nome cartorial e institucional do Sítio Café na Varanda, síntese do que entendemos por Estilo de Vida.
Agora, neste momento em que esta história está sendo historiada, estamos em novembro de 2012 e Café na Varanda está tornando-se parte do universo da web. Agora mesmo está surgindo o


 
  VOLTAR